Tuesday, December 23, 2008

{receita} bolo inglês de laranja


um presente especial (para o meu professorzinho de desenho fofo) e uma receita que volta e meio faço e que tem cara de natal: um bolo inglês de laranja que tem um quê de panetone. o panetone dos meus sonhos: só com passas!

voilà!

ingredientes
» 2 xícaras (chá) de farinha de trigo
» 1 xícara (chá) de açúcar (usei o demerara)
» 1 xícara (chá) de suco de laranja (prefira o natural e não dispense os gominhos)
» 1/3 xícara (chá) de iogurte natural (usei o que faço em casa)
» 1 xícara (chá) de uvas passas pretas envoltas em farinha
» 1 colher (chá) de fermento em pó
» raspas de 2 laranjas
» 50g de margarina
» 2 ovos

modo de fazer
misture a farinha com o fermente e reserve.

em uma tigela grande, bata a margarina com o açúcar até obter uma mistura homogênea. misture os ovos um a um até ficar um creme. vá acrescentando suco de laranja e a mistura seca alternadamente. incorpore o iogurte mexendo bem. junte as raspas e misture até espalhar por igual na massa.

por último, junte as passas e mexa delicadamente.

verta a massa em uma fôrma untada e enfarinha e leve forno pré-aquecido médio-baixo.

faça o teste do palito para verificar se está pronto.

sugestão sirva com chá preto e uma colherada de geléia vermelha

serviço adaptado da revista claudia maio 2005

Sunday, December 21, 2008

{restô} goa vegetariano, antigo gaia

embora não seja vegetariana, sou grande apreciadora da (boa) cozinha do gênero. nada daqueles bufês insossos com chuchu se desfazendo de tanto cozinhar e montes de legumes cozidos e todos com o mesmo sabor.

dos vegês a que gosto muito de ir, o goa (antigo gaia gourmet) é um achado. a proposta deles é sempre um "menu du jour" composto de entrada + prato principal + sobremesa, refrescos inclusos.

a entrada é composta por duas opções: uma fria (salada orgânica com ingredientes e molhinhos diferentes a cada dia) e uma quente (sopa com ingredientes e temperinhos diferentes a cada dia). eu sempre vou na opção da sopa, já que é algo que eu simplesmente adoro.

o prato principal é composto de duas ou três opções: uma delas sempre é vegan (ou seja, isento de ovo ou derivado de leite) e muitas vezes há uma opção de massa de grano duro.

também há sempre duas opções de sobremesa, sendo que uma é vegan.

o chef (e proprietário) augusto pinto parece que gosta de (assim como eu, rs) reinar na cozinha: os pratos têm sempre um toque de experimentação, é uma comida vegetariana diferenciada e, na maioria das vezes, muito saborosa.

diferentemente do gopala, que muda o cardápio semanal a cada dois meses e sempre mantém mais ou menos o mesmo padrão de comida (o que não significa que eu desgoste de lá, em absoluto), o gaia gosta de inventar, criar e aposta no incerto mesmo correndo o risco de errar. uma boa iniciativa. pelo menos, eu acho =).

por isso mesmo, há pratos que são verdadeiros deleites para os sentidos, arrebatadores mesmo enquanto outros são apenas ok. mas, justiça seja feita: eu nunca fui lá e não gostei da comida. às vezes, o tempero fica suave demais ou a textura é estranha, mas ruim, nunca é. é o preço que se paga por se ter a coragem de experimentar. e, a isso, eu dou o maior valor já que sou assim também hehe.

o ambiente é muito agradável: bem iluminado, com um enorme lustre pendendo do teto, grandes espelhos nas paredes, sofazinhos que dão vontade de ficar por ali por muito tempo, nada daquilo de comer e sair correndo! quando o restô está cheio, a acústica não ajuda muito. mas nada que faça você ficar aos berros com o seu acompanhante.

os garçons e garçonetes são eficientes e simpáticos (a menos do meu copo de suco que - agora que estou nessa gripe chata - venho pedindo metade apenas para que ele perca o gelo mais rápido e quase nenhum deles se atém ao fato) e o preço é honesto se você levar em conta a qualidade da comida e o fato de você poder pedir repeteco das entradas e prato principal, além de refrescos à vontade.

o lugar está sempre cheio e já encontrei artistas por ali que vinham com a família ou amigos decerto procurando uma culinária saudável e saborosa.

eles também têm uma newsletter diária muito boa que sempre traz o cardápio do dia e uma mensagem para iluminar o seu espírito. eu assino, é ótima embora dê fome (rs)! outro ponto bacana é que o augusto adora receber feedback e você pode usar o campo de comentários na newsletter para enviar os seus. como boa cabeça-gorda que sou, gosto de falar das minhas impressões sobre o que eu comi quando passei por lá. e ele faz sempre questão de responder a todas =).

hoje, o cardápio estava impecável, saí de lá muito feliz!

de entrada, tomei uma sopinha de cenoura com missô que trazia o equilíbrio da mistura: o missô tem um sabor bastante marcante e, se você não toma cuidado, ele domina tudo, mas o equilíbrio do creme estava perfeito.


a outra opção de entrada era salada de folhas orgânicas ao molho de ameixas. belisquei do prato do gu e as folhas, por serem orgânicas, têm um sabor totalmente diferente das que costumamos comprar por aí. a cor do molho era linda.


para prato principal, foi uma difícil escolha, mas acabei optando pela quiche de aspargos frescos e abóbora (amo abóbora!) acompanhado de arroz integral com rúcula. foi a segunda quiche que eu comi por lá. a primeira me surpreendeu muito e foi essa a principal razão da minha escolha pela quiche novamente. e eu não me arrependi, estava ótima de sabor, de textura, de temperos. eu só achei que teria uma sobrepujança de aspargos, mas a quiche era mais para abóbora do que para aspargos o que, de maneira alguma, tirou o seu mérito. a massa, bastante podre, desmanchava na boca. era tão bom, mas tão bom que o meu repeteco foi dela mesma.


eu só fiquei matutando o que poderia substituir o arroz integral: não que ele não estivesse bom, mas como a quiche já leva carboidratos e o arroz é outro tipo de, fiquei pensando o que poderia fazer as vezes em seu lugar. a escolha óbvia seria uma salada, mas como esta já vem na entrada, estava descartada. depois de muito pensa aqui e ali, achei que talvez uma fruta cozida (maçã ou pêssego como os que eu gosto de fazer: cozidas, recheadas com geléia vermelha (a de pimenta também fica bem boa) e raspas de castanha-do-pará, por fim, uma caldinha de mel e cointreau). ou ainda uma cebola assada, nham (eita pessoa enxerida que fica dando palpite onde não é chamada, rs!)


o outro prato era um fusilli de grano duro com tomate assado e mix de cogumelos (shimeji branco e cogumelo paris). o gumpa pediu esse e eu belisquei :D e era muito bom também, os tomates eram quase tomates secos mas sem aquele sabor super carregado que os tomates secos têm.


e ainda uma terceira opção com "chilly de soja" servido c/ polenta frita, guacamole e "sour cream". espiei os que passearam na minha frente e foram aterissar nas mesas vizinhas e também tinham uma aparência muito boa.

os refrescos do dia eram: uva com goiaba (um suco do qual eu gostei tanto que passei a inventar aqui em casa), melancia e abacaxi com mamão e maçã.


e, para finalizar, duas opções de sobremesa que me torturaram na escolha até o último minuto (tive que apelar para o olho comprido nas mesas alheias para o voto de minerva, rs): crumble de figo fresco e pêssego (amo figo fresco) e doce de banana com creme patissier e merengue. acabei optando pelo doce de banana e o gu pediu o crumble. quando as sobremesas aterrisaram na mesa, que festa para os olhos: a apresentação era linda, o que me fez, uma vez mais, ficar em dúvida existencial e até a cogitar a possibilidade de pedir uma sobremesa extra (olha a gulodice da pessoa até que ponto chega!).

o doce de banana estava divino e eu nunca tinha imaginado um creme patissier com aquela consistência mais durinha: dava a impressão de ser um creme patissier como quando você cozinha a lata de leite moça na panela de pressão e depois pode fatiá-lo, sabe? mas era um creme branco, de uma textura deliciosa, doce na medida certa. um cilindro desse creme fazia as vezes de base do doce, uma generosa colherada de um doce de banana pastoso e com alguns pedacinhos de banana de um caramelo muito bonito e, coroando o doce uma merengada com raspinhas de limão. o conjunto de cores e forma era muito belo, mas eu dispensei o merengue (tenho lá meus senões com o pobre do ovo e suspiro que não seja duro duro eu dispenso, idiossincrasias dessa pesssoinha complicada!)


o crumble estava bom, mas o doce de banana era superior. de todo modo, a apresentação do doce era muito bonita também e metades de figos verdes e nesgas de pêssego dormiam sob o crumble adocicado. era uma sobremesa mais suave, bem suave de açúcar.


para finalizar, você ainda pode pedir um cafezito ou um chá. na minha atual fase de detox-cafeine eu, infelizmente, recusei o café.

serviço
Goa, gastronomia saudável
Rua Conêgo Eugênio Leite, 1152
Pinheiros – São Paulo – SP – Brasil
05414-010
[11] 3031.0680 | [11] 3097.9536

No almoço, estacionamento ao lado com convênio de segunda a domingo.

R$ 20,00 + 10% de segunda a sexta
R$ 24,00 + 10% nos finais de semana
Cartões de Debito: todos
Cartoes de Crédito: Mastecard, Diners, Visa e Amex
Tickets: Visa Vale, Ticket Eletronico, VR e Sodexho Pass

http://www.gaiavegetariano.com.br
gaiavegetariano@uol.com.br

{receita} fudge cake de chocolate


eu queria passear lemons (lemons = les monsters, i.e. meus cachorritos fofos), mas com a cara de chuva que se formou no horizonte, mudei de idéia e fui procurar uma receita pra fazer.

eu já tinha decidido que queria fazer um bolo de choco, um gostosinho, especial porque é para dar de presente para um amigo da firrrma do gu que nos presenteou com uma caixa de sabonetes de nozes da natura (amo nozes!). a caixa é linda (eles são campeões nas embalagens, isso eu tenho que dar o braço a torcer).

quando pensei em bolo de choco, o primeiro especial que me veio em mente foi um fudge cake que eu já fiz várias outras vezes, sempre em ocasiões especiais: um aniversário, um jantar na casa de amigos... o problema é que esse bolito é muito do voluntarioso e se você enche mais que a metade da fôrma, ele cresce, cresce, cresce feito um louco e... cai da fôrma e arruina todo o seu trabalho. mas não é só isso: muitas vezes ele cresce, cresce, cresce, fica lindo, cheiroso e quando vc tira do forno: fuooom, ele abaixa no centro e... arruina tudo também!

bom, depois de apanhar algumas vezes do maldito, aprendi que a melhor fôrma para ele é a tubular (a receita pede uma redonda de fundo falso, como eu não tenho...) e o forno, não pode ser muito quente: o gás do meu fogão é muito potente e bastam 10 minutos para que ele fique no ponto para receber o assado. muitas vezes, eu acabo demorando mais do que isso para preparar a massa e daí... terror.

bom, o bolo ainda está lá no forno, cresce bonito enquanto eu blogo a sua receita aqui. depois eu conto se ele se comportou direitinho.

a razão pela qual eu continuo insistindo nele mesmo depois de tantas agruras é porque ele é bom demais!

ingredientes
» 1 1/2 xícara (chá) de farinha de trigo
» 2 xícaras (chá) de açúcar refinado
» 2 colheres (chá) de fermento em pó
» 1/2 colher (chá) de bicarbonato de sódio
» 1 colher (chá) de sal
» 1/2 xícara de manteiga amolecida (usei margarina sem sal)
» 1 1/2 xícara (chá) de leite
» 2 ovos
» 180g de chocolate meio amargo derretido
» 1 xícara (chá) de nozes picadas grosseiramente

modo de fazer
misture farinha, fermento, bicarbonato, sal. reserve.

na batedeira, bata a manteiga com o açúcar até ficar homogêneo. acrescente os ovos um a um e deixe bater bastante até ficar um creme fofo. desligue a batedeira e vá misturando alternadamente a mistura seca com o leite. ligue a batedeira novamente e deixe bater por mais uns 2 minutos até ficar um creme bem leve. junte o chocolate derretido e bata até homogeneizar.

desligue a batedeira e junte as nozes mexendo delicadamente.

verta a mistura na fôrma untada e enfarinhada e coloque no forno pré-aquecido. a receita original pede 200ºC. o bolo demora para ficar pronto. o meu ficou no forno quase 1 hora e não, não me decepcionou! ficou lindo e, espero eu, gostoso hihi.

para saber se está pronto, faça o teste do palito.

não tire o bolo imediatamente do forno. assim que ficar pronto, desligue o fogo, deixe a porta semi-aberta para o calor arrefecer aos poucos. quando o forno estiver morno, você pode retirar o bolo. desenforme quando ele estiver completamente frio.

se você quiser, pode rechear com um creme patissier de chocolate, mas ele, por si só, já é um evento!

[foto por glá quicolli]

sugestão acompanhado de calda quente de chocolate e uma bela bola de sorvete de creme, fica imbatível! (a foto do bolo com sorvete é de uma outra vez que fiz o danado, já que este vai de presente!)

serviço adaptado da revista gula maio 2004 de um recorte de revista não-identificado =(

Saturday, December 20, 2008

{receita} curry de cabocha


às vezes, a melhor coisa pra curar um mau humor é ir reinar na cozinha! a noite de ontem foi bem chatinha, então, acordei cedo, fui no pão e depois... reinação.

e reinação na cozinha combina sabe com quê? com o blip! (tudo bem que meus followers não devem concordar muito :-p) mas eu sigo mesmo assim. música sempre fez parte da minha vida desde pequetitica e é outro bálsamo pra alma. às vezes - isso ainda na época em que eu não tinha aberto mão do meu kazinho - em momentos de raiva extrema, eu entrava no carro, abria todas as janelas, ligava o som no talo e dirigia com o vento batendo no rosto e cantando a plenos pulmões. dava uma sensação boa de que uma parte daquela coisa ruim tava indo embora, rs.

hoje, comecei com um bolo de laranja com casca, uma coisinha basiquete, um bolinho para se fazer assim pá-pum: põe tudo no liquidificador e depois incorpora com a mistura seca com a ajuda de um fouet. fácil, prático e gostosinho. eu ia fazer ontem na madruga (olha o mau humor da pessoa a que ponto chegou), mas vi minhas intenções malogradas ao abrir a geladeira e descobrir que tava sem ovos.

bolo no forno, parti para o almoço (desta vez vegê): um curry de cabocha acompanhado de cebolas ao forno, farofinha de cenoura e azeitonas pretas e arroz integral.

de entrada, bruschettas mediterrâneas: na minha idéia, era pão italiano, coalhada seca, tomate e azeitona preta. só que eu me esqueci de trazer o tomatinho do super =(, daí foi sem mesmo, mas não ficou a mesma coisa!

o almocinho tava bom, ainda mais com a tacita de vinho que eu separei pra mim! mas agora me deu um soninho...

ingredientes
» 1/4 de uma abóbora cabocha (média) picada em cubos pequenos com casca
» 1/2 cebola picada em cubos
» 1 colher (sobremesa) de curry amarelo
» 1 colher (sobremesa) de curry tandoori
» 3 colheres (sobremesa) de vinagre de vinho branco
» 3 colheres (sobremesa) de água
» 1 vidro de leite de coco de 200 ml (usei o light)
» 2 1/2 colheres de óleo de girassol
» 1 1/2 colheres (sobremesa) de semente de mostarda
» 1 colher (chá) de sal
» água, se necessário

modo de fazer
faça uma pasta com os curries o vinagre e a água. reserve.

aqueça o óleo numa panela (dê preferência a uma panela de fundo espesso), acrescente as sementes de mostarda e deixe aquecer um pouco. junte a cebola e refogue até que ela fique transparente. acrescente a pasta de curries e mexa bem. verta o vidro de leite de coco e misture para homogeneizar. acrescente o sal.

junte os cubos de abóbora e mexa bem para incorporar. se a mistura estiver grossa, acrescente um pouquinho de água. abaixe o fogo para bem brando e deixe cozinhando lentamente até a abóbora ficar macia. vá vigiando a panela e acrescentando água se necessário. essa etapa pode demorar até 1 hora.

você pode apressar o processo cozinhando a abóbora com água (pouca), mas o sabor, definitivamente, não será o mesmo.

sugestão sirva acompanhado de arroz integral, farofa de cenoura e azeitonas pretas, cebolas assadas.

{receita} farofa de cenoura e azeitonas pretas


ingredientes
» 1 1/2 xícara (chá) de farinha de milho (usei a em flocos, mas a outra serve igualmente)
» 1 cenoura pequena ralada no ralo grosso
» 10 azeitonas pretas picadas em rodelinhas
» 1/2 cebola picada em meios círculos
» 1 colher (sopa) de manteiga
» 1 colher (sopa) de azeite
» sal, caldo de legumes e pimenta-do-reino moída na hora a gosto

modo de fazer
aqueça a manteiga com a azeite e deite ali as cebolas. deixe aquecer um pouco e abaixe o fogo, deixando a cebola dourar em fogo brando. acrescente a cenoura e as azeitonas e mexa bem para incorporar. tempere com sal e caldo de legumes. deixe amaciar levemente e acrescente a farinha de milho. fogo alto mexendo sempre até a farinha tostar um bocadito (cuidado para não queimar!).

apague o fogo, moa a pimenta e sirva quente ou fria.

sugestão ótimo para acompanhar assados. desta vez, fiz para acompanhar um curry de cabocha n_n

serviço inspirada na receitinha da querida pat scarpin do technicolor kitchen! amiga, eu tô sumida, mas tenho saudades e essa farofinha é acompanhamento certo aqui em casa! beijos, fofa!

Monday, November 17, 2008

miki ama chá de dragão

quem me apresentou ao chá de dragão foi uma amiga do (ex)-trabalho, a lavínia n., uma mulher muito chique e sabida (hihi).

eu, que adoro dar nome pra tudo (sim, sou terrível), logo apelidei-o de chá de dragão, por causa da embalagem, olha:


não é muito mais interessante e misterioso do que simplesmente "chá de ginseng e hortelã com canela"?

diz a embalagem: raiz de ginseng, folha de hortelã, casca de canela, raiz de gengibre, folha de capim limão, flor de camomila, raiz de alcaçuz, folhas de erva-de-gato, flor de tília, lúpulo.

hum... raiz de alcaçuz, não é? já sei por que gostei tanto desse chá! hihi.

nessa minha fase detox cafeine, esse chá cai bem demais. ainda mais que hoje caiu uma chuvinha gostosa de manhã!

sou muito fã dos chás da celestial seasonings: os chás em si já valeriam por tudo. mas eles vão além: gosto das misturas que eles propõem, do cuidado com o embalo para preservar os aromas das ervas e o projeto gráfico das caixas, que é lindo. as ilustras, as cores, tudo em seu devido lugar.

Monday, October 13, 2008

{receita} estrogonofe com broto de bambu


na semana passada, a inspiração para pensar no menu da semana não era das maiores... rodei, rodei, rodei feito peru no pires e nada eu achava legal. larguei a coisa para lá e fui tratar da vida.

e de repente, quase no final da semana, me assaltou uma vontade de comer estrogonofe. me preparei para fazer e tudo o mais, mas o destino caprichoso (ô jeito bom de se auto-enganar e dar outro nome para a preguiça hahahaha) me levou para outras águas.

de modo que deixei a carne de frango - já comprada - semi-preparada e fui ser feliz!

hoje, decidi que, finalmente, seria o dia do bendito! cheguei da rua e fui reinar na cozinha. mas decidi reinar blipando que é muito mais divertido (acho que só não foi pros meus listeners...)

não sei se me redimo ou se pioro a minha situação, mas, à guisa de consolo, publico aqui a receita do estrogonofe!

[foto por ethnocentrics]

ingredientes
» 4 filés de peito de frango picados em cubinhos
» 1 vidro de cogumelos ou 1 pacote de broto de bambu (takenoko) picadinhos
» 1 cebola picada em cubos
» 6 dentes de alho amassadinhos
» 1 lata de creme de leite (usei a light)
» 2 tomates sem pele (prefira os do tipo italiano)
» 2 cálices de espumante demi-sec (pode ser substituído por vinho branco, prefira os adociados)
» 2 colheres (sopa) de sopa de cebola
» 2 colheres (chá) de caldo de legumes
» sal e pimenta do reino moída na hora a gosto
» 2 colheres (sopa) de manteiga
» óleo para refogar

modo de preparar
tempere os cubinhos de frango com sal e pimenta do reino.

numa panela grande, aqueça um pouco de óleo e deite ali os cubitos de frango. o óleo deve estar bem quente. dê preferência a uma panela do tipo frigideira funda para que os cubinhos de frango ocupem toda a superfície da panela sem se amontoarem. mexa constantemente até a carne selar (i.e. tostada em toda a sua superfície, mas ainda crua por dentro. a idéia de selar a carne é criar uma "capinha" ao seu redor de modo que os sucos da carne sejam mantidos durante o preparo do prato e ela não fique seca). assim que os cubinhos estiverem selados, desligue o fogo e reserve a carne.

lave a panela e aqueça a manteiga e um pouco de óleo. acrescente o alho e deixe dourar, mexendo constantemente. quando estiver bem douradinho, junte o champignon (no meu caso, o broto de bambu). vá vigiando a panela e mexa constantemente para não queimar. quando o champignon estiver douradinho, jogue um cálice de espumante e mexa. deixe reduzir até ficar quase seco. acrescente, nesse ponto, uma colher de sopa de cebola mais o caldo de legumes, mexa para incorporar, retire da panela e reserve.

lave novamente a panela e aqueça um pouco de óleo. deite a cebola picadinha a frigir até que fique transparente. junte o frango reservado mexa por uns dois minutos e acrescente o cálice de espumante. deixei reduzir até quase secar. junte a sopa de cebola, mexa para incorporar e junte o tomate. deixe cozinhar até que o tomate comece a se desfazer um pouco. se necessário, junte um bocadito de água. acrescente o champignon, misture bem e corrija os temperos se for preciso. desligue o fogo, junte a lata de creme de leite e sirva na seqüência. eu gosto do molho bastante cremoso. assim, antes de adicionar o creme de leite, verifico se o caldo não está muito grosso e, em caso positivo, acrescento um pouco d'água.

sugestão gosto de servir com shiro gohan (arroz japonês feito sem adição de sal ou óleo), batatas fritas à moda da mamãe e uma saladinha. a de hoje, foi de almeirão com molhinho de sal, pimenta do reino, limão fresco, alho amassadinho e azeite!

@gigia, se você não for amiga das panelas, pode ir matar a lombriga no viena, adoro o estrogonofe deles (se bem que não é exatamente barato, rs!). mas, no caso, é o de carne! o de frango não gosto não > <. ah, sim, e este não é um post patrocinado, vici?

Friday, October 10, 2008

almocinho 10.out.2008


até que não ficou mal para um soborô, rs!

com um arroz japonês, brócolis com alho e uma lingüiça e um pedaço de carne de churrasco todos sobrados, fiz o meu almocinho de hj. ah! também salvei uns tomatinhos-pêra que quase viraram comida de fungus!

fritei uma cebolinha e aqueci o brócolis picadinho, adicionei o arroz, acertei o sal e esperei esquentar um pouquinho.

com o outro quarto da cebola, refoguei em formato de meia-lua, adicionei as carnes picadas e, depois de douradinhas, acrescentei uma colher de um molho de mostarda com carne que eu tinha feito para acompanhar um rosbife.

e, para colorir o prato, salada de tomatinhos temperada com balsâmico (adoro esse casamento: tomate e balsâmico!), sal, pimenta do reino moída na hora e um fio generoso de azeite!

Saturday, October 04, 2008

{receita} pudim de claras

em um almoço, um amigo de longa data que cozinha maravilhosamente bem, contou que ama pudim de claras, uma de suas sobremesas favoritas. quanto a mim, que não sou amiga dos ovos nem salgados nem doces nem cozidos nem fios nem omelete nem poché... não posso dizer que aprecio exatamente a sobremesa, mas como ele vai cozinhar para nós amanhã, lembrei-me dessa conversa antiga e resolvi mimá-lo com um pudim de claras, algo que eu nunca havia feito antes.

eu me lembrava de que tinha guardado uma receita do caderno paladar (já em homenagem a ele, rs). fui atrás dela, dei uma lida, mas, não muito confiante, dei uma gugada básica. logo nos primeiros cliques, aparece o blog da karen e algumas outras receitas (veja links ao final do post). lendo daqui e dali, acabei por fazer o meu pudim de claras assim:

[foto por gumpa @ethnocentrics]

ingredientes
6 claras
12 colheres (sopa) de açúcar
1 pitada de sal
1 colher (chá) de raspas de limão

para o caramelo:
1 xícara (chá) de açúcar
1 xícara (chá) de água

para a calda:
6 gemas
3 colheres (sopa) de açúcar
2 colheres (chá) de maisena
2 copos (americano) de leite
1 colher (chá) de essência de baunilha

modo de fazer
comece com o caramelo: em uma panela de fundo grosso, deite o açúcar e, em fogo médio, deixe que ele derreta completamente. não mexa para que o açúcar não se cristalize. assim que o açúcar derreter, adicione imediatamente e de uma única vez, a xícara de água. vá vigiando a panela, sempre sem mexer até que grande parte da água se evapore, mas ela não fique muito dura. retire do fogo e caramelize uma fôrma tubular.

bata as claras em ponto de neve firme. nesse ponto, acrescente o sal e, logo em seguida, o açúcar às colheradas, uma de cada vez. use uma tigela grande na batedeira, pois o bicho cresce! quando o suspiro estiver bem firme, acrescente as raspas de limão e desligue a batedeira.

transfira o suspiro para a fôrma caramelizada às colheradas, alisando para que fique uniforme (sem apertar demais).

coloque a fôrma dentro de uma assadeira com um pouco d'água e leve a assar em forno pré-aquecido a 180ºC por cerca de 30-40 min.

enquanto isso, prepare a calda: misture o leite com a maizena e o açúcar. retire a película que recobre as gemas e, com a ajuda de um fouet, misture-os ao leite. se você perceber algum pedacinho mais rígido visível da gema, é recomendável coar a mistura num coador bem fino. leve ao fogo tomando cuidado para não ferver, pois talha o creme, arruinando-o. assim que a mistura engrossar levemente, acrescente a baunilha, misture por mais um ou dois minutos e retire imediatamente. para interromper o cozimento, passe o creme para um outro recipiente frio. reserve.

depois que o pudim estiver assado, desligue o forno, abra uma fresta na porta por uns 10 minutos e depois uma fresta um pouco maior por mais 10 minutos. o pudim irá crescer bastante dentro do forno, mas assim que você abrir a fresta, ele vai abaixar de tamanho. não é recomendável retirar imediatamente do forno para que a mudança de temperatura não seja muito brusca e murche demasiadamente o pudim.

depois desse tempo de descanso dentro do forno, retire a fôrma e desenforme o pudim assim que ele estiver morno.

leve a gelar separadamente o pudim e a calda-creme. no momento de servir, regue o pudim e o centro com um pouco da calda. coloque o restante numa molheira e sirva à parte. se gostar, polvilhe semente de papoula no creme para dar um charme.

a foto do meu pudim está sem o creme, pois ele só vai ser montado e comido amanhã ^^. espero que o meu amigo goste! (ah, e também os convivas hihi)

serviço: inspirada nas receitas do caderno paladar, do kafka na praia, tudo gostoso e receitinhas! aos donos e donas, o meu muito obrigada!

Thursday, October 02, 2008

{receita} spaghetoni com legumes

meus almoços têm sido menos solitários desde que o caderno paladar (do estadão) começou a me acompanhar diariamente.

isso é que é ser cabeça-gorda 24 x 7! comer lendo sobre.. comida! rs

mas que dá preguiça de preparar comida só pra uma pessoa, lá isso dá o.O

mas, enfim, a ifigênia é mais forte e eu sempre acabo cedendo aos seus desejos.

hoje, tempo curto, mas queria algo gostosinho pra aquecer o estômago. então, pensei numa massa com legumes. só fiquei em dúvida até o último minuto se ela teria sotaque oriental ou europeu (rs). a frança acabou vencendo.

e enquanto eu preparava o prato, uma pergunta não me saía da cabeça: será que o tal noodles dos americanos é uma denominação só para as massas orientais (tipo yakissoba, thai etc?) ou seria o equivalente à nossa "pasta"?

ah, sim! acompanhou-me a edição do paladar de hoje e eu fiquei louca de vontade de experimentar o tal alfajor "capitán del espacio", sucesso de crítica e público, low profile e no melhor estilo "estou-bem-com-o-que-sou-obrigado", filosofia da qual sou totalmente fã!


ingredientes
(a receita é para uma pessoa, rs)
» 1/3 de abobrinha italiana cortada em tirinhas
» 1/3 de cenoura cortada em tirinhas
» 3 cogumelos shiitake cortados em tirinhas (usei o desidratado, mas por falta de opção)
» 6 vagens de ervilha-torta cortada em tirinhas
» 2 dentes de alho socadinhos
» 1 colher (sopa) de manteiga + bocadinho de óleo ou azeite
» 1 cálice pequeno de vinho branco, espumante ou sakê
» 2 generosas colheres (chá) de sopa de cebola
» 1 colher (café) de caldo de legumes
» sal e pimenta-do-reino moída na hora a gosto
» um punhado de salsinha picadinha
» porção de spaghetoni para uma pessoa (acho que é cerca de 100 g) e água o suficiente para cozinhá-lo

modo de fazer
aqueça a manteiga e o óleo e doure o alho em fogo brando. quando estiver morenando, acrescente a cenoura e a vagem e vá mexendo até ficar macio. junte a abobrinha e o shiitake, tempere com o sal e o caldo de legumes. mexa um pouco. acrescente o sakê e vá vigiando a panela, mexendo de vez em quando até a bebida evaporar pela metade. acrescente a sopa de cebola e mexa bem. caso fique um creme muito espesso, acrescente um tiquinho de água.

em paralelo, vá cozinhando a massa. coordene o tempo para que ambos fiquem no ponto juntos. escorra a massa, desligue o fogo do molho, junte o spaghetoni à panela dos legumes, salpique a salsinha, moa a pimenta-do-reino a gosto e misture. sirva imediatamente.

Wednesday, October 01, 2008

uma tigelinha nova


fui no pão fazer compras ontem e não resisti a essa cumbuquinha feita por artesãos do piauí, inspirados nas pinturas rupestres do sítio arqueológico da serra da capivara. amo pinturas rupestres!

um legítimo e raro exemplar de um produto que não é feito na china!

ah! a saladinha de tomate com manjericão temperado com balsâmico foi do meu almocinho de hj, nham!

Friday, September 05, 2008

pão de mel do casamento do iggy e da rachel


olhei assim meio de esguelha para ele, não dando muita bola.

logo pensei naqueles pães-de-mel secos, duros e com uma cobertura de chocolate em cujo sabor a gordura fica muito pronunciada.

mas, como eu estava enganada! ao partir o bichinho, uma deliciosa calda embebia a parte de baixo, a massa, levemente aerada e macia sem ser leve não era extremamente doce e deixava espaço - sutil - para as especiarias do pão-de-mel. para completar, um choco doce cobria o pequenino.

pena que acabou tão rápido!

mas fiquei com vontade de fazer um pão-de-mel de assadeira ^^.

hehe

Thursday, July 03, 2008

{receita} Curry de Peixe, Camarão e Abóbora




Aprendi uma receitinha deliciosa com a Nigella na TV.
Como não anotei na hora em que assisti o programa, vim repetir aqui em casa improvisando um pouco .... Ficou divino!!!!
A receita é indiana, mas é a cara do Brasil nordestino com seu jerimum e camarão. E também pode ser feita em versão vegetariana, agregando cenoura, batata ou o que desejar!
Recomendo usar naquele jantarzinho pra impressionar namorado(a), sogra e mãe exigente....

Curry de Peixe, Camarão e Abóbora "Adaptado"

Ingredientes

1kg de abóbora inteira (ou 500g de abóbora limpa)
500g de salmão fresco cortado em filés e sem espinhos (pode substituir por merluza ou pescada branca)
300g de camarão limpo
Curry amarelo à gosto (eu uso de 1 a 2 colheres de café cheias)
Canela em pau (1 a 2 pedaços)
Gengibre (em pó ou ralado) - 1 col. de café
Cardamomo em pó - 2 col. de café
Caldo de peixe tailandês (Nam Pla) - 3 col. de sopa
1/2 cebola média picada
1 alho amassado
1 lata de leite de coco tailandês ou 500mg da garrafinha de leite de coco nacional
óleo pra refogar
Sal à gosto
Coentro à gosto

Modo de Preparo

Numa panela média, refogue cebola e alho até ficarem transparentes. Acrescente parte do leite de coco (se for de lata, primeiro a parte cremosa). Adicione curry, canela, genibre, cardamomo e sal. Deixe o leite de coco ferver com os temperos e liberar parte dos aromas...
Acrescente o resto do leite de coco e a abóbora cortada em cubos.
Cozinhe por mais ou menos 15 minutos, ou até a abóbora ficar macia.
Acrescente o caldo de peixe, e um pouquinho de água se precisar. Acrescente o salmão e cozinhe por mais uns 5 minutos em fogo brando com a panela tampada.
No final, acrescente os camarões crus e cozinhe por mais 3 minutos.
Pode adicionar coentro picado ao servir.
Rende 4 porções bem servidas.

Servido com arroz de jasmim ou branco é uma delícia pra esse tempo frio.

Bon appetit!

Tuesday, June 17, 2008

agradecimento!

É com alegria que compartilho e venho agradecer à querida Karen pela matéria no Folha Obara sobre o mundomiki!
Saiba mais detalhes aqui.

Sunday, May 18, 2008

{receita} Mousse de Damasco


Vejo que estamos mantendo um padrão nos últimos posts....Miki manda salgados ou refeições completas e eu, sempre nas sobremesas! Mas, não pude resistir a postar essa maravilhosa receita de Mousse de Damasco que, na verdade, já se tornou receita tradicional de Natal da minha família.
Vamos a história da receita: minha mãe aprendeu essa receita num curso de culinária francesa que ela fez quando eu nem havia nascido ainda...hihihi....Tradicionalmente, ela começou a preparar a mousse nos Natais, porque é uma época que sempre teve damascos nos supermercados brasileiros. De uns 4 ou 5 anos para cá, a leite evaporada da Nestlé (ingrediente fundamental na receita), começou a ficar difícil de ser encontrada no Brasil e passamos uma temporada sem a mousse. Quando me mudei pra Argentina, reencontrei a leite evaporada Ideal nos supermercados e levei algumas pra Jundiaí onde fizemos a receita que posto abaixo.
Beijo a todos, Cheers!

Mousse Primaveril de Damasco (Mousse Printanière d Abricot)


Ingredientes da Mousse

150g de damasco seco picado (prefira o damasco argentino que não é muito doce, se for usar o damasco turco diminua a quantidade de açúcar)
1 xíc. de chá de açúcar
2 xíc. de chá de água
1 lata de leite evaporado Ideal (Nestlé) - uma praga difícil de encontrar atualmente!
9 folhas de gelatina branca Otker amolecidas em 1 xíc. de chá de água e depois aquecidas em microondas por uns 30 segundos (fica líquido)

Modo de Preparo

Colocar os damascos picados com o açúcar e a água numa panela e cozinhar em fogo moderado até que os damascos fiquem macios (30 minutos).
Retira do fogo e bate com mixer ou em liquidificador até ficar uma geléia.
Deixar esfriar.
Bater o leite ideal na batedeira até dobrar de volume (ou triplicar). Juntar a gelatina dissolvida (já fria) e os damascos batidos (já frios) e misturar.
Colocar em forma untada com óleo e levar a geladeira até ficar firme.

Ingredientes do Molho

100g de damasco picado
1 xíc. de chá de acúcar
1 xíc. de chá de água
1 lata de creme de leite sem soro

Modo de Preparo

Numa panela, juntar os damascos picados, o açúcar, a água e levar ao fogo até os damascos ficarem macios. Retira do fogo, deixa esfriar e junta o creme de leite. Servir junto com a mousse.

Tuesday, April 15, 2008

{receita} músculo picante com grão-de-bico e arroz integral com alho-porró


Desde a semana passada, eu estava com idéia fixa de fazer arroz integral com alho-porró.

Ontem, eu e a Ana F., uma amiga que canta comigo, estávamos tagarelando sobre comida (quer papo melhor, rs?) e ela me deu várias dicas de pratos fáceis, rápidos e deliciosos.

Um dos pratos que ela mencionou foi carne com grão-de-bico. Isso porque nós duas estávamos falando como morríamos de amores por esse simpático grão.

Não esperei nem mais um minuto: assim que saltei do carro (ela me dava carona), fui direto pro super já comprar músculo e grão-de-bico para experimentar essa receita.

Meio que inventei de misturar com a receita de goulash e a de bouef bourguignon que faço: é que eu queria o toque picante da páprica!

MÚSCULO PICANTE COM GRÃO-DE-BICO

ingredientes
» 1/2 kg de músculo cortado em cubos médios
» 250 g de grão-de-bico cru
» 1 cebola picada
» sal e pimenta-do-reino moída na hora a gosto
» 1 generosa colher (sobremesa) de páprica picante
» 3 colheres (sopa) de óleo de girassol
» 1 envelope de caldo de carne em pó (ou 1 cubinho)

modo de fazer
deixe o grão-de-bico de molho na véspera. coe-o e reserve.

tempere a carne com sal e pimenta e reserve.

na panela de pressão, aqueça o óleo e refogue a cebola até ficar transparente. junte a carne reservada e vá mexendo bem. assim que a carne tostar por fora, junte o grão-de-bico, o caldo de carne e a páprica e mexa bem para que o tempero envolva os ingredientes.

acrescente 300ml de água fria e mexa. tampe a panela de pressão.

assim que a panela começar a chiar, abaixe o fogo e conte 18 minutos no relógio.

retire a pressã da panela e sirva imediatamente.

ARROZ INTEGRAL COM ALHO-PORRÓ

ingredientes
» 2 xícaras (chá) de arroz integral
» 4 xícaras (chá) de água fervente
» 2 colheres (chá) de sal
» 2 colhers (chá) de caldo de legumes em pó
» 1 alho-porró pequeno cortado em rodelas
» 1/2 cebola picada
» 2 colheres (sopa) de óleo de girassol

modo de fazer
lave o arroz e reserve.

na panela de pressão, despeje o arroz reservado e vá mexendo com uma colher de pau até que fique bem sequinho. verta a água fervente, acrescente o sal e o caldo de legumes, mexa bem e tampe a panela.

assim que começar a chiar, conte 15 minutos no relógio e desligue.

tire a pressão da panela e reserve o arroz já cozido.

numa panela à parte, aqueça o óleo e refogue a cebola até ficar transparente. junte o alho-porró e vá refogando até ficar macio. junte o arroz reservado e dê uma boa refogada. sirva imediatamente como acompanhamento do músculo picante.

Friday, March 28, 2008

um lindo presente!


fiquei muito, muito, muito feliz quando o carteiro me trouxe esse postal ontem!

tina querida, i wish i were there with you and akemi!

obrigada pelo carinho, preta!

beijinhos, miki

cozinha monga

por causa da cozinha cultural, o duilio ferronato (colunista da revista da folha e "quem manda" na cozinha monga, rs) me encontrou!

a cozinha monga é uma iniciativa vinculada ao canal de gastronomia do uol. funciona assim: duilio & equipe vão na sua casa e filmam o preparo de uma receita. ele pergunta, acompanha cheio de curiosidade, às vezes palpita, dá risada e o mais importante: adora provar o seu prato, rs!


depois de uns telefonemas e uns emails pra lá e pra cá, decidimos que eu ia preparar o cassoulet de preguiçoso que já postei por aqui.


foi uma delícia recebê-los chez mundomiki. o único problema é que o haku não parava de latir hahahahaha. tanto é que ele figurou como "participação especial" hihihihi.

duilio, vc e sua equipe são sempre bem-vindos por aqui! adorei conhecê-los e adorei participar da cozinha monga.

fica registrado aqui meu pedido de participação do marcelo katsuki na cozinha monga :D!!!

ah! já ia me esquecendo: quem quiser participar, pode pleitear uma visita do duilio enviando uma foto de sua cozinha e a receita do prato para duilio@folhasp.com.br. e como ele mesmo gosta de dizer: "por enquanto só em são paulo, mas em breve estaremos no mundo todo."







fotos por ethnocentrics

Wednesday, March 26, 2008

{menu} menu du jour para o cinema brasileiro

18.mar.2008
um punhado de foodbloggers assistiram a uma sessão de pré-estréia do filme estômago de marcos jorge e alguns deles se encontraram ao vivo pela primeira vez! a festa teve início ali.

19.mar.2008
inspirados pela trama, eles foram convidados a preparar duas receitas que tivessem algum tipo de ligação com a trama. o desafio estava lançado.

26.mar.2008
deadline para a entrega das receitas!

a maquininha da menina inventora aqui começou a rodar, a rodar, a rodar. passei as coordenadas do filme e da proposta para a pri, amiga querida que divide o cabeça-gorda comigo, para que cada uma propusesse uma receita. como ela mora fora, infelizmente não pôde assistir à pré-estréia.

com feriado de páscoa no meio do caminho e as deliciosas visitas familiares, infelizmente, a pri declinou do convite. mas adianto que ela tem uma ótima idéia que será postada em breve ;-), certo, pri?

de minha parte, continuei as pesquisas criativas que sempre faço em qualquer trabalho e pensei em três linhas de atuação:

1. comida com inspiração botequeira, já que o primeiro lugar onde raimundo trabalha é um boteco podre, rs. no filme, a coxinha que ele faz fica célebre, vira petisco disputado e o mais pedido no lugar. então, uma idéia seria inventar algo nesse clima botequeiro.

2. "cantina chique": como outra ambientação do filme é uma tratoria phiiiiina, pensei que este poderia ser um segundo caminho. talvez uma invenção de sobremesa com inspiração italiana seria uma boa pedida, já que os pratos salgados são a tônica da trama.

3. cozinha inventiva na prisão: uma terceira ambientação cabeça-gorda é a prisão, onde nonato canivete acaba virando o "cozinheiro oficial dos companheiros de cela" e transformando o péssimo grude que chega em quase-banquetes. nessa linha, caberia a cozinha inventiva, com ingredientes que você tem à mão no melhor estilo "abro-a-geladeira-e-invento-algo-gostoso-com-o-que-está-disponível" (rs).

como petiscos botequeiros não são o meu forte e muitas vezes eu tenho que fazer uma "cozinha inventiva" no dia-a-dia, acabei optando pela linha "cantina chique". mas como eu gosto de inventar moda (estrelando: miki, a menina terror hahahaha), pensei em propor um "menu du jour" para a cantina boccaccio!

tudo bem que o menu du jour é um clássico da frança, mas acho ótima a idéia de poder fazer um almoço completo por um preço bacaninha. além disso, é uma oportunidade também para o chef ou o cozinheiro poderem testar suas receitas antes de a lançarem definitivamente nos cardápios. e, para arrematar, combina muito com o clima descontraído do filme e do brasil.

o primeiro prato que elaborei foi o prato principal: uma "polenta com ragu de lingüiça defumada ao perfume de erva-doce". fiquei em dúvida se a chamava alternativamente de "polenta com ragu de lingüiça defumada e legumes crocantes". gosto dos dois nomes e não consigo me decidir, rs!

a partir dele, pensei na entrada e na sobremesa. como era um prato com muita personalidade e sabores marcantes, eu quis algo suave para iniciar e finalizar a refeição. uma entrada suave que preparasse o caminho para o prato principal sem competir com ele. então, propus um "creme verde" feito a base de legumes guarnecido com um fio de creme de leite.

para finalizar, queria algo à base de frutas, para não tornar a refeição muito pesada. mas não poderia ser uma fruta in natura pura e simples, pois eu queria um toque de sofisticação. partindo dessa premissa, lembrei-me de uma maçã cozida que eu sempre faço como guarnição de assados e, com base nela, elaborei as "princesas-maçã em sopa de baunilha".

então, vamos às receitas?

ENTRADA
creme verde


ingredientes
» 1/2 couve-flor pequena picada grosseiramente
» 1 abobrinha italiana picada em cubos
» 2 batatas médias
» 1/2 cebola picadinha
» 2 dentes de alho amassadinhos
» 2 colheres (sopa) de azeite
» 2 colheres (chá) de caldo de legumes
» 1 colher (sopa) de sopa de cebola
» sal e pimenta-do-reino moída na hora a gosto
» água o quanto baste
» creme de leite e ramos de salsinha para guarnecer

modo de preparo
numa panela grande, cozinhe a abobrinha e a couve-flor com um pouco de sal até ficarem macias, quase desmanchando.

em outra panela, cozinhe as batatas com um pouco de sal até ficarem macias.

acomode todos os legumes no liquidificador e acrescente água o suficiente para bater. deve ficar cremoso e não muito aqüoso.

refogue a cebola e o alho no azeite até ficar transparente. junte os legumes liquidificados, o caldo de legumes e a sopa de cebola. deixe apurar o sabor, mexendo de vez em quando. corrija os temperos se necessário.

monte a entrada em xícaras de chá, enfeite com um fio de creme de leite e um ramo de salsinha.

tempere com um pouco de pimenta-do-reino moída na hora.

PRATO PRINCIPAL
polenta com ragu de lingüiça defumada ao perfume de erva-doce


ingredientes para o ragu
» 3 colheres (sopa) de azeite
» 1 cebola cortada em meia-lua fininha
» 2 dentes de alho amassadinhos
» 1 lingüiça defumada (paio, calabresa, portuguesa ou outra de sua preferência) cortada em rodelas e depois em 4 partes
» 1 xícara (chá) de cenoura em cubinhos pequeninos
» 1 xícara (chá) de erva-doce em cubinhos pequeninos
» 4 tomates italianos sem pele cortados em cubinhos
» 1 colher (chá) de pimenta calabresa
» sal a gosto
» 2 colheres (chá) de caldo de legumes em pó

ingredientes para a polenta
» 4 xícaras (chá) de água
» 1 envelope de caldo de carne em pó
» 1 xícara (chá) de fubá
» 1 colher (sopa) de manteiga
» 2 colheres (sopa) de queijo parmesão ralado
» sal e pimenta-do-reino moída na hora a gosto

modo de preparo: ragu
aqueça o azeite em uma panela grande, junte a cebola e o alho e refogue até ficar transparente.

junte a lingüiça e deixe fritando até ficar bem douradinha. vá mexendo constantemente para não queimar. junte os legumes e a pimenta e refogue um pouco. por último o tomate com o sal e o caldo de legumes. junte um pouquinho d'água e deixe o suficiente para o tomate desmanchar um pouco. reserve em lugar aquecido.

modo de preparo: polenta
misture o caldo de carne na água e leve a ferver. adicione o fubá aos poucos e misture com a ajuda de um fouet para evitar a formação de grumos. caso fique empelotado, você pode utilizar o mixer para que a mistura fique homogênea. salgue e cozinhe em fogo brando por cerca de 20 minutos. corrija os temperos se necessário e acrescente a pimenta, a manteiga e o parmesão.

caso não queira fazer a polenta em casa, você pode utilizar as misturas prontas, mas a textura ficará um pouco comprometida, a menos que você use as misturas italianas. nesse caso, use a proporção 1:4 (1 porção de mistura para cada 4 de água).

se a polenta - em ambos os casos - ficar dura, você pode acrescentar um pouco mais de água fervente para chegar ao ponto desejado.

montagem
monte uma cama de polenta em pratos fundos e, por cima, distribua uma generosa porção de ragu fumengando.

leve à mesa acompanhado de azeite e parmesão ralado.

SOBREMESA
princesas-maçã em sopa de baunilha


ingredientes para as maçãs cozidas
» 3 maçãs pequenas (as menores que você conseguir encontrar)
» 1 copo de água
» 1 colher (sopa) de açúcar
» 6 colheres (chá) de geléia de framboesa (ou outra geléia vermelha de sua preferência)
» raspas de castanha-do-pará para guarnecer

ingredientes para a sopa de baunilha
» 3 gemas peneiradas
» 2 colheres (sopa) de açúcar refinado
» 200ml de leite
» 1 colher (chá) de essência de baunilha
» sementes de papoula para guarnecer

modo de preparo: maçãs
descasque as maçãs, corte ao meio retirando o pedúnculo e o fundo da maçã. faça uma cavidade no centro de cada metade utilizando o aparelho de retirar semente de modo que fique uma bolinha perfeita.

misture a água com o açúcar numa panela grande o suficiente para acomodar todas as maçãs sem empilhá-las. leve ao fogo. assim que ferver, abaixe o fogo e deixe tampado. vá vigiando o cozimento. caso necessário, acrescente um pouco mais de água. cozinhe até que fiquem macias e levemente amareladas. vire as maçãs para que "dourem" por igual na metade do cozimento. reserve.

modo de preparo: sopa de baunilha
bata, com a ajuda do fouet, as gemas e uma das colheres de açúcar até obter um creme espumoso e esbranquiçado.

aqueça o leite com o restante do açúcar e a baunilha, sem deixar ferver. deve ficar apenas morno. junte um pouquinho à mistura de ovos tomando cuidado para não talhar.

verta essa mistura na panela do leite e retorne ao fogo, mexendo levemente e no fogo muito brando. não deixe ferver em hipótese alguma. retire do fogo, deixe esfriar e leve para gelar.

montagem
num prato fundo, acomode três metades das maçãs cozidas no centro do prato. cuidadosamente, recheie os buracos com a geléia de framboesa com a ajuda de uma colher de chá. salpique um pouquinho das raspas de castanhas-do-pará.

com muito cuidado, derrame um bocadinho da sopa de baunilha ao redor da composição. guarneça a sopa com as sementes de baunilha e sirva em seguida!

sugestão
a polenta fica ótima acompanhada de um bom vinho tinto seco: um cabernet ou um bordeaux por exemplo.

e a sobremesa também pode ser acompanhada de um vinho de sobremesa como um moscato d'asti!

bon appétit!

Wednesday, March 19, 2008

[7arte] pré-estréia de filme cabeça-gorda!

a querida dadivosa me indicou para assistir a uma pré-estréia fechada para foodbloggers e outros bloggers más do filme "estômago" de marcos jorge.

o filme já foi passado em festivais nacionais e internacionais ganhando, inclusive, alguns prêmios!

foi engraçado encontrar "as pessoas por trás das telas": além da dadi, que eu já conhecia de outro encontro, estavam a rainha faby do rainhas do lar, a renata e fran do frango com banana, leandro do cozinha pequena, chris da casa da chris, alessander do cuecas na cozinha e a tatu do mixirica.

tudo bem que eu era a mais café-com-leite por ali hohohoho ^^.

mas o mais engraçado foi que a moça da salem (a agência que está fazendo a promoção do filme) que fez contato comigo já era minha conhecida e eu nem sabia (vergonha das vergonhas, quando cheguei lá, não me lembrava dela ^^')... oh, my!!!

fiz um post sobre o filme no meu blog de cinema, quem quiser, pode conferir aqui!

bom apetite ;-)!!!

Tuesday, March 18, 2008

{receita} Pão de Sardinha, Azeitona e Cebola


Continuando a saga de receitas prometidas...

Sempre tive medo de fazer pão. Aquela coisa de ficar mal assado, não crescer, etc...

Mas, essa semana estava com uns tomates em casa e decidi perder o medo e tentar fazer um pão com eles, fui no google... Descobri essa receita facílima da Gomes da Costa no site http://cybercook.uol.com.br, que não precisa de fermento biológico, descanso, batedeira nem nada. Fica pronto em 40 minutos e, devo dizer, impressiona marido! Hehehehe.

Super aprovada!

Ah, quanto aos tomates?...Eles continuam por aqui, hoje rolou uma saladinha com um deles :-)

Ingredientes

- 1/2 xícara(s) (chá) de leite
- 2 ovos
- 1/2 xícara(s) (chá) de óleo de soja
- 1 lata(s) de sardinhas ao molho de tomate
- 2 xícara(s) (chá) de farinha de trigo
- 1 colher(es) (chá) de sal
- 1 unidade(s) de cebola picada(s)
- 2 colher(es) (sopa) de azeitona preta picada(s)
- 1 colher(es) (sopa) de fermento químico em pó
- 1 colher(es) (sopa) de orégano

Modo de Fazer


Numa tigela, junte o leite, os ovos, o óleo e o molho de tomate da Sardinha. Misture bem.
Acrescente a farinha e o sal. Misture novamente.
Adicione a cebola, a azeitona e as Sardinhas. Por fim junte o fermento.
Despeje a massa numa fôrma de bolo inglês (cerca de 22 x 11cm) untada e enfarinhada. Polvilhe orégano por toda a superfície da massa.
Leve ao forno médio (180ºC), preaquecido, por cerca de 40 minutos ou até que enfiando-se um palito na massa este saía limpo.
Desenforme e sirva morno ou frio.

Tempo de Preparo: 15 minutos
Tempo de Cozimento: 40 minutos

Dica: Ao juntar as Sardinhas, procure não quebrá-las muito para que se mantenham em pedaços no pão.



Monday, March 17, 2008

{receita} Bolachinhas Decoradas



Aproveitando mais uma vez novos acessórios, resolvi fazer umas bolachas decoradas.

Ganhei um set de forminhas de cortar bolachas da minha mãe. Ele é incrível, tem todas as formas possíveis imagináveis, números, letras, carros, animais, dinossauros, coisas de Natal, etc.
Para colocá-lo em prática, escolhi uma receita de ginger bread da Williams-Sonoma e dá-lhe estica e puxa no rolo de macarrão!!!

Ingredientes

1 xíc de manteiga sem sal (250g) à temperatura ambiente
1/2 xíc de açúcar mascavo (100g)
1/2 xíc de açúcar cristal (125g)
1 xíc de glucose de milho, ou karo (que eu substituí por mel e ficou ótimo!!!!)
1 ovo grande
5 xíc de farinha de trigo
1 col. de chá de bicarbonato de sódio
1 col. de chá de gengibre em pó
1 col. de chá de canela
1/2 col. de chá de cravo moído
1 pitada de sal

Modo de Fazer

Mistura de sólidos: juntar farinha, bicarbonato, sal e especiarias.
Massa: na batedeira (ou na mão mesmo...), bater a manteiga durante uns 4 minutos em velocidade alta, até virar um creme pálido e aerado. Adicionar os açúcares aos poucos e continuar batendo para que se incorpore bem (mais uns 4 minutos). Agregar mel ou karo e o ovo, e bater em velocidade baixa, misturando a massa.
Retirar da batedeira e adicionar os sólidos aos poucos, mexendo com uma espátula.
Colocar a massa em superfície de trabalho enfarinhada e trabalhar amassando com as mãos até ficar bem homogênea. Dividir em quatro partes iguais envolvê-las em filme-plástico (PVC) e deixar em geladeira (mínimo 2 horas, máximo 2 dias)
Dica: em cobri uma superfície de mármore da cozinha com filme-plástico (PVC), enfarinhei e trabalhei a massa diretamente sobre o plástico. Depois é só dividir em quatro partes sobre o plástico, cortá-lo e envolvê-las.

Na hora de moldar e assar...
Pré-aquecer o forno a 200oC, forrar assadeira com papel manteiga.
Abrir a massa com rolo sobre a superfície de trabalho enfarinhada, cortar com os moldes e dispor as bolachinhas na assadeira com auxílio de espátula.
Deixar 10 minutos no forno ou até que suas bordas estejam douradinhas.
Se a massa for ficando grudenta e difícil de moldar, envolvê-la novamente em filme e retornar a geladeira por uns 10 minutos.

Depois de tirar do forno, deixa esfriar para que se soltem do papel manteiga com mais facilidade e sem quebrar.
Depois de frias, decorar

Rende 4 dúzias de bolachas (!!!!!!). A bolacha sem decorar dura até dois meses em latas ou sacos plásticos fechados. Decorada, dura 1 semana.

Decoração

Para decorar eu usei glacê de açúcar, é a forma mais tradicional e caseira de decorar. Pode-se usar sacos de confeiteiro com bicos delicados. Outra forma, desenvolvida por mim, mas que funcionou bem, foi usar seringas médicas de 5 ou 10 ml. Elas tem uma pontinha fina que ajuda na precisão do desenho. E, por último, palitos de dente também são ótimos para fazer desenhos mais delicados como olhos, boca e detalhes de roupa. Solte a criatividade!!!

Receita do glacê

1 ou dois ovos, só clara. Bate, com uma pitada de sal, até ponto de neve.
1 a duas xíc de chá de açúcar de confeiteiro. Mistura o açúcar na clara em neve aos poucos até obter a consistência desejada.
Para deixar mais fluido = pinga algumas gotas de água morna, para endurecer = adiciona açúcar e para colorir = uma gota de anilina no tom desejado.


Essas bolachas são típicas da época do Natal. Todo os anos, uma amiga de minha tia, fazia bolachas de mel na época do Natal, com decorações lindas, super trabalhadas e detalhadas feitas com glacê de açúcar. Eu suspeito que ela fazia essas decorações com a maior paciência e cuidado.
Foi pensando nesses momentos que resolvi trocar o karo da receita original por mel e, devo dizer que elas ficaram realmente muito parecidas com as bolachas de minha infância... Mas a decoração...ah, essa ainda precisa evoluir muito, é uma super curva de aprendizado!

{receita} Bolinho de Chocolate com Nozes


Após um longo verão ausente em fase de reeducação alimentar (vulgo, dieta...hehehe)... Aproveito a fase de remodelação do nosso blog pra soltar vários posts que venho guardando ao longo desses meses. Éhh! Nesse período, sempre que produzia uma coisinha diferente fotografava e colocava na "to do list" do blog. Testei algumas coisas boas e espero lançá-las nos próximos dias.
Espero que vcs aproveitem os doces com a proximidade da Páscoa (nessa época do ano pode!). Beijo!


Bolinho de Chocolate e Nozes

Comprei uns utensílios novos de cozinha no Natal. De vez em quando, o Carrefour traz uns materiais de cozinha alemãs que são muito bons e vale a pena dar uma checada. Essas forminhas para cupcake de silicone vieram de lá e essa receita foi feita com a ajuda da minha mãe para estreá-las. Os bolinhos não ficam muito doces, se quiser, pode até fazer uma cobertura. São uma ótima pedida para um café ou chá da tarde.

Ingredientes

2 xícaras (chá) de farinha de trigo
1 xícara (chá) de açúcar
1/2 xícara (chá) de chocolate em pó
3 ovos
1/2 xícara (chá) de óleo
1 tablete de chocolate meio amargo
1/2 xícara (chá) de nozes
1 colher (chá) de fermento em pó
1 colher (chá) de bicarbonato de sódio
1 pitada de sal

leite se necessário (eu precisei)
açúcar de confeiteiro para polvilhar

Modo de Fazer

Numa vasilha ou na batedeira, coloque açúcar, ovos e sal. Bata até ficar homogêneo. À parte, peneire a farinha, o chocolate em pó, o fermento e o bicarbonato e misture-os. (sólidos)
Junte os sólidos na massa aos poucos, misturando à mão com colher ou pá de silicone. A receita original não leva leite, mas quando começamos a agregar os sólidos, a massa foi ficando muito pesada e difícil de bater, quase impossível de continuar misturando; aí, acabamos pondo um pouquinho de leite (mais ou menos uns 100 ml), só para facilitar a mistura da massa.
Quando tiver a massa homogênea, adicione as nozes e chocolate meio amargo picados.
Coloque em forminhas individuais (tipo cupcake) ou em uma forma de bolo. Formas de alumínio devem ser untadas e enfarinhadas.
Assar em forno pré-aquecido (200ºC) por aproximadamente 20 minutos.
Quando prontos, polvilhe com açúcar de confeiteiro ou com a cobertura desejada.

Tuesday, March 11, 2008

{receita} salada colorida e arroz colorido


sabe, às vezes dá uma preguiiiça enorme de cozinhar. e também dá preguiça de sair pra fazer supermercado.

hoje foi mais ou menos assim. daí, eu abro a geladeira e começo a caçar o que tem lá e me obrigo a pôr a cachola pra funcionar.

nesses momentos, eu uso a seguinte tática: faço uma lista de tudo o que há disponível e aciono o botão "super-gêmeos-ativar-forma-de-uma
-receita-gostosa-e-prática-com-miscellaneous-futebol-clube".

tá, confesso que nem sempre dá certo. mas até que hoje o resultado não foi nada mau se comparado ao estado em que estava o meu ânimo e a minha geladeira.

quem tem criatividade, não precisa de quase mais nada nessa vida.

com vocês: salada colorida e arroz colorido ^^!

SALADA COLORIDA
ingredientes
» 1 xícara (chá) de flores de brócolis picado bem miudinho e cozido "al dente"
» 1/2 cenoura picada em cubinhos e cozida "al dente"
» 1/2 xícara de grão-de-bico cozido
» 1/2 cebola roxa cortada em rodelinhas
» 1 talo de salsão picado fininho
» 1 tomate italiano pequeno bem maduro picado em 1/4 de fatias

» para o molho:
» 1 dente generoso de alho picado bem miudinho
» 1 colher (sopa) de aceto balsâmico
» 4 colheres (sopa) de azeite
» sal e pimenta do reino a gosto

modo de fazer
disponha todos os ingredientes em um bowl para salada.

prepare o molho misturando todos os ingredientes exceto o azeite. com a ajuda de um fouet, vá derramando o azeite devagarzinho e misturando para que fique bem emulsionado.

jogue o molho por cima dos legumes e misture bem.

ARROZ COLORIDO
ingredientes
» 1 xícara (chá) de arroz
» 1 mandioquinha picada em cubinhos
» 2 tomates italianos (pequenos) sem pele cortado em cubos
» 1/2 cebola picadinha
» 2 colheres (chá) de sal
» 2 colheres (chá) de caldo de legumes em pó
» 2 colheres (sopa) de óleo de girassol
» 2 xícaras (chá) de água fervente

modo de fazer
refogue a cebola no óleo até ficar transparente. junte a mandioquinha e o arroz e dê uma refogada rápida. junte metade do sal e do caldo de legumes. adicione os tomates e mexa bem. junte a água fervente. adicione o restante do tempero.

abaixe o fogo e deixe cozinhar por 15 minutos.

sirva imediatamente. se gostar, salpique um pouco de parmesão por cima do arroz.

Sunday, February 17, 2008

{receita} pão de queijo do viena



não é novidade a minha verdadeira paixão pelo pão de queijo do viena. amo. amo. amo. três, dez, um milhão de vezes. a massa macia e quase sem buraquinhos de ar, densa, deliciosamente chicletenta. e a casquinha fina, fina, fina, um toque de parmesão dá uma crocância pequenina, sutil. acompanhado de um belo expresso, acho a dupla mais-que-perfeita.

pois não é que no ano passado, tomando um cafezito acompanhado desse maravilhoso tesouro, meus olhos se detiveram num livrinho marotamente exposto no balcão: "Viena: comida de casa fora de casa". É claro que já parti pra folheá-lo, deliciando-me com as fotos, muito bem produzidas e, maravilha das maravilhas, algumas das receitas da rede. virava as páginas com certa urgência, até que me detive na de número 92, a que me deu a certeza indubitável de que, sim, era um livro que iria habitar a estante cozinheira da minha casa =)!

com vocês, a beleza dos pãezinhos, que já fiz várias vezes aqui em casa:

(ah, sim, e as minhas desculpas à pri e ao professor david pela demora na publicação da receita > <)!

ingredientes
» 400g de batata cozida e espremida
» 500g de queijo meia-cura moído
» 450g de polvilho doce
» 2 ovos
» 1/2 colher (chá) de fermento em pó
» 1/2 colher (chá) de sal
» 75ml de óleo
» 75ml de leite quente
» queijo parmesão ralado para polvilhar

modo de fazer
Bata o ovo, fermento, sal e óleo e reserve.

Misture o polvilho com o queijo. Junte a batata e mexa até ficar homogêneo. Faça um cova no centro e despeje ali a mistura de ovos. Mexa bem e adicione o leite aos poucos.

Amasse vigorosamente com as mãos até obter uma massa lisa (como eu sou fraca pra essas coisas, recorro à batedeira, utilizando as pás de amassar pão :-p).

Faça bolinhas com as mãos untadas de óleo. Disponha em uma assadeira guardando alguma distância entre elas para que os pãezinhos não grudem. Polvilhe com o parmesão e leve a assar em forno pré-aquecido a 180ºC até que fiquem douradinhos (cerca de 20 minutos).

sugestão
bom a toda hora. ótimo belisquete. mas mais maravilhoso assim que acaba de ser feito e sair do forno. ótimo companheiro do requeijão com salame (acho esse casamento tão perfeito com o pão de queijo!). também fica feliz com uma manteiguinha boa, escorrendo logo ao sair do forno. nham! me deu fome!!

dica
- o queijo meia-cura não é encontrado facilmente no supermercado. eu gosto de comprá-lo na feira e peço pro moço ralar na hora pra mim =). com parmesão não fica a mesma coisa :-(...
- às vezes, preciso de umm pouco mais de leite para poder amassar a massa
- nem sempre polvilho o parmesão (como vc pode ver na foto!)
- pode ser congelado: faça bolinhas e congele "em aberto" por um dia. depois, é só guardar em uma vasilha tampada.
- ah, sim! além das receitas em si, o livro tem um texto muito gostoso (pudera, é ignácio de loyola brandão) contando a trajetória da rede em pouco mais de 30 anos de existência.

serviço
Receita original de:
Viena: comida de casa fora de casa
Texto Ignácio de Loyola Brandão
DBA

{receita} bolo invertido de banana da tina



muitos perfumes invadem a minha cozinha agora.

faço um alhinho assado pra comer de entrada antes do jantar, que vai ser tarde. o perfume que exala do alho é algo maravilhoso, quase sublime.

chove gostoso lá fora (adoro a chuva, adoro seu barulho, seu molhado e as possibilidades infinitas da dança dos guardas-chuvas).

o horário de verão acabou.

mas, antes do jantar, fiz um lanchinho da tarde. ou melhor, da quase-noite, rs!

e, pra isso, eu já estava com más intenções pra cima de umas bananas que repousavam, repimpadas de tão maduras na minha fruteira. tipo juntou a fome com a vontade de comer, pois, sem eu mesma ter percebido, um tal de bolo invertido de banana, postado pela querida valentina tinha me fisgado também.


nossa, o que é esse bolo? eu tinha achado que, sim, ele ficaria bom, mas ele conseguiu superar TODAS as minhas expectativas dez vezes! que maravilha de texturas: a massa bananenta, o adocicado aqui e ali das passas bêbadas e o macio-resistente encontro com os pedacinhos do nozes... como gosta de dizer o gumpa: "made in hell".

tina querida, amei o bolo. já planejo as outras vezes em que farei novamente. uma semana cheia de surpresas agradáveis e sabores deliciosos pra ti, preta!

ingredientes
» 100g de passas brancas (você pode usar as pretas, mas acho que as brancas são especiais. sempre fiz bolos de banana com passas pretas e achei a combinação com passas brancas surpreendente!)
» 50ml de rum (como eu não tinha, usei licor de cacau)
» 4 a 5 colheres (sopa) de glucose de milho (usei karo)
» 50g de margarina em temperatura ambiente
» 50g de açúcar demerara
» 1 ovo
» 1 colher (chá) de essência de baunilha
» 4 a 6 bananas nanicas (1 a 2 mais firmes e as demais bastante maduras: quanto mais maduras, mais saboroso ficará o bolo)
» 175g de farinha de trigo
» 1 1/2 colher (chá) de fermento em pó
» 60g de nozes pecã (como eu não tinha, lancei mão das normais mesmo)

modo de fazer
Deixe as passas de molho na bebida por, pelo menos, 30 minutos.

Unte generosamente uma fôrma de bolo inglês (10,5 x 24cm) e forre o fundo com um pedaço de papel alumínio.

Corte as bananas mais firmes transversalmente em fatias finas e forre o fundo da fôrma. Regue as bananas com a glucose de milho. Reserve.

Junte a farinha coada com o fermento em pó e reserve.

Bata a margarina com o açúcar, junte o ovo, misture bem. Coloque a baunilha e misture. Junte as bananas previamente amassadas e misture mais uma vez. Vá colocando a mistura de farinha aos poucos, mexendo delicadamente. Jogue as passas com o restante da bebida que sobrou no copo. Mexa apenas para agregar. Por último as nozes.

Despeje a massa sobre as bananas reservadas, cuidando para que estas não se mexam muito.

Forno moderado (180ºC) por cerca de 40 minutos. Para saber quando está bom, faça o teste do palito.

sugestão
maravilhoso para um chá da tarde. Perfeito companheiro para o chá (mais do que o café, na minha opinião). Tomei o meu com earl grey aromatizado com limão siciliano.


dica
de jeito nenhum prescinda das nozes, elas dão um toque diferente e muito pessoal ao bolinho. Eu quase não coloquei, mas, sabendo do resultado agora, não dá mais pra abrir mão delas =)! Quero testar com castanhas do pará (minhas favoritas!) de uma próxima vez!

serviço
adaptada do Trem Bom, blog da querida Valentina, a musa inspiradora de muitos de nós!

Tuesday, January 22, 2008

{receita} cuscuz de legumes


se eu contar como foi a "invenção" desse cuscuz, vocês não vão acreditar! começou quando eu folheava uma revista muito simpática chamada menu. ela traz boas sugestões para incrementar a comida do dia-a-dia, com menus descomplicados na maioria das receitas. para ter uma idéia de como a revista me conquistou, basta dizer que ela está cheia de post-its: são as receitas que me chamaram a atenção e que eu pretendo fazer (algum dia, rs).

pois bem, o cuscuz em questão estava por ali, era muito bonitinho, mas, já da primeira lida, fiquei maquinando: vou mudar isso, tirar aquilo, acrescentar aquilo outro. eu mudei tanto, mas tanto, que nem dá para dizer que é uma versão daquela receita, a criatura criou vida própria!

mas eu adorei o resultado e achei incrível pois sem ter nada que lembrasse o palmito nem de longe, achei que o bicho no final ficou com um quê de palmito. acho que foi a textura, sei lá (ou, como disse o gumpa, nosso cérebro já está condicionado com palmito no cuscuz, hehehe)!

quero fazer outras vezes variando o recheio! pensei em colocar palmito, ervilha e tomate. ou shitake. ou cabocha com cebolinha.

ah! não prescinda do manjericão, é ele quem dá toda a graça do prato!

ingredientes
» 3 colheres (sopa) de óleo de girassol
» 1 cebola picada
» 1 dente de alho grande picadinho
» 1 cenoura cortada em cubinhos pequenos
» 1 berinjela média sem casca cortada em cubos
» 1/2 xícara (chá) de azeitonas pretas cortadas em gominhos
» 2 tomates sem pele cortados em cubos
» 1/2 xícara (café) de folhinhas de manjericão
» 1 envelope de caldo de legumes em pó (gosto de usar o da qualimax)
» 3 a 4 xícaras (chá) de água
» sal e pimenta-do-reino moída na hora a gosto
» 2 xícaras (chá) de mistura para polenta (polentina, kimilho ou outra da sua preferência)

modo de fazer
coloque o óleo numa panela grande e refogue a cebola e o alho até ficar transparente. junte a cenoura, tempere um bocadinho e cozinhe até que ela fique ligeiramente macia. vá acrescentando bocaditos de água para não queimar. quando a cenoura ficar no ponto, junte a berinjela e proceda da mesma maneira. assim que a berinjela ficar ligeiramente macia, adicione a azeitona e os tomates picados. deixe o tomate derreter um pouquinho, coloque o caldo de legumes e junte a água aos poucos. deixe esse molho apurando um pouco. deve ficar uma mistura mais para aquosa do que cremosa. nesse ponto, junte o manjericão e a mistura para polenta e mexa vigorosamente. se necessário, você pode usar o fogo baixo. cozinhe de 3 a 5 minutos até obter uma massa mole (não deixe cozinhar demais, caso contrário, o cuscuz ficará muito ressecado ao ir ao forno).

em uma fôrma tubular untada com margarina (ou várias pequenas), deite a massa ainda quente. alise bem a superfície e molhe com água.

leve a assar em banho-maria no forno pré-aquecido (180ºC) por uns 20 minutos. vá borrifando água na superfície do cuscuz de tempos em tempos para evitar que se resseque demais.

sugestão
hoje, eu servi como acompanhamento de um arroz integral com linhaça, feijão e saladinha de almeirão. mas também fica ótimo como entrada!


dica
você também pode fazê-lo numa forma grande ao invés de usar várias forminhas pequenas. na pressa, desenforme os bichinhos e asse no microondas, potência média-baixa de 5 a 10 minutos. não esqueça de borrifar um pouquinho de água durante o cozimento para evitar que a superfície fique muito ressecada.

serviço
pode-se dizer que foi uma inspiração da receita "cuscuz de farinha de milho e legumes" da
revista menu - ano 9 - edição 102 - mai.2007 - pág. 20